Doutoramento em Ciências da Educação, especialidade de Sociologia da Educação

 

Realizaram-se ontem, dia 24 de novembro de 2016, às 10h, as Provas de Doutoramento em Ciências da Educação, especialidade de Sociologia da Educação, requeridas pela Mestre Rosenilde Nogueira Paniago, tendo como orientadora a Doutora Maria Teresa Jacinto Sarmento Pereira. O júri foi presidido pelo D77outor José Augusto de Brito Pacheco, tendo estado presentes os seguintes vogais: a Doutora Maria de Fátima Magalhães Antunes Gonçalves Teixeira, da Universidade do Minho; o Doutor Fernando Ilídio da Silva Ferreira, da Universidade do Minho; a Doutora Maria Teresa Jacinto Sarmento Pereira, da Universidade do Minho; a Doutora Maria da Conceição Ferreira Monteiro Leal da Costa, da Universidade de Évora; a Doutora Regina Tereza Cestari de Oliveira, da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, Brasil. No final, a candidata foi aprovada, por unanimidade, com a menção de “Muito Bom”.

Título da Tese:Contribuições do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação para a Aprendizagem da Docência Profissional

Resumo: A presente investigação se situa no campo da formação de professores, tendo como base de sustentação teórica, principalmente, a Sociologia da Educação e, como objeto de estudo, a aprendizagem da docência de licenciandos inseridos no Programa Institucional de Bolsa de Iniciação à Docência (PIBID). O estudo de caso foi desenvolvido no contexto de um Instituto Federal aqui denominado como IF Campo, com o objetivo de investigar a contribuição desse programa para a aprendizagem da docência dos formandos, focando aspectos vinculados à construção da identidade docente como professor reflexivo e pesquisador. A formação de professores e os processos de construção da aprendizagem e identidade docente têm ocupado lugar fulcral nas discussões acadêmicas e políticas, em vista das múltiplas exigências, em termos sociopedagógicos, políticos, econômicos e ambientais. Nesse cenário, a tendência formativa, consubstanciada na reflexão e na pesquisa, sob a qual se subscreve, aposta no desenvolvimento profissional dos professores como profissionais reflexivos e pesquisadores. Assim, a investigação esteve ancorada em referenciais teóricos da literatura brasileira, portuguesa e de outros países europeus e americanos, cuja obra é central para a compreensão do objeto de estudo. Depois da caracterização do caso (PIBID no IF Campo), utilizou-se, como fonte de dados, a análise de documentos e de narrativas orais de nove licenciandos bolsistas do PIBID (LBP) dos cursos de Matemática, Biologia e Química e de três professores coordenadores de área (CA) projetos do PIBID, da IES, locus da pesquisa. Os resultados, representados por meio da metáfora da Rosa sinalizaram que têm sido imensos os contributos do PIBID para a aprendizagem da docência profissional e a valorização da escola de educação básica, dos professores que aí atuam e para os saberes constituídos nesse espaço. O programa possibilita a inserção do LBP, desde o início da formação, o que lhe permite a experimentação de diversas situações de aprendizagem: socialização à docência (planejamento de aula, elaboração aplicação de estratégias didáticas diferenciadas, participação em reuniões na escola, eventos culturais e científicos e iniciação à pesquisa, em que o aluno é incitado a desenvolver posturas investigativas, elaborar e executar projetos de ensino e de pesquisa). O PIBID é um campo fecundo para a consolidação da tão almejada relação teoria-prática e a tríade – ensino, pesquisa e extensão. As atividades vivenciadas no programa contribuem para o desempenho dos LBP nas Licenciaturas e para a própria formação do formador. Apesar da abundância de possibilidades, os desafios se interpõem como elementos que precisam ser repensados, por implicar diretamente a qualidade da aprendizagem dos formandos. Então, tal como os espinhos das Rosas, foram constatadas algumas das fragilidades, nas práticas do PIBID, dentre as quais destacam-se: 1) a ausência de práticas de ensino em sala de aula, desde a observação, análise e intervenção direta com os alunos numa perspectiva reflexiva e investigativa; 2) a ausência da relação das práticas que ocorrem no programa com as práticas de ensino e pesquisa dos professores que atuam no PIBID e/ou cursos de licenciaturas; 3) a ausência de formação pedagógica dos formadores e a falta de experiência com investigação e ensino na educação básica; 4) a ausência de trabalho colaborativo entre os vários atores do programa e de trabalho interdisciplinar entre os projetos.

78

Deixar um comentário...

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s