Doutoramento em Estudos da Criança, especialidade de Matemática Elementar

 Realizaram-no dia 07 de dezembro de 2011, às 14:30 horas, as Provas de Doutoramento em Estudos da Criança, especialidade de Matemática Elementar, requeridas pela Mestre Maria de Fátima Morais Sardinha, tendo como orientadores o Doutor Pedro Manuel Baptista Palhares e o Doutor Fernando José Fraga de Azevedo. O júri foi presidido pelo Doutor Leandro da Silva Almeida  tendo estado presentes os seguintes vogais: Doutor Nelson Manuel Viana da Silva Lima, da Universidade do Minho; Doutor João Filipe Lacerda de Matos, da Universidade de Lisboa; Doutor Fernando José Fraga de Azevedo, da Universidade do Minho; Doutor Pedro Manuel Baptista Palhares, da Universidade do Minho; Doutora Maria da Graça d’Almeida Sardinha, da Universidade da Beira Interior; e a Doutora Joana Maria Leitão Brocardo, do Instituto Politécnico de Setúbal. No final, a candidata foi aprovada por unanimidade.

Título da Tese: “Histórias com Problemas e a sua ligação à promoção da Numeracia e da Literacia no 1.º Ciclo do Ensino Básico”

Resumo: As “histórias com problemas” constituem parte de uma estratégia de ensino que visa a formulação e a resolução de problemas e que, através de uma metodologia específica, deverá permitir a integração da matemática com a língua materna e o desenvolvimento significativo de competências de ambas as áreas. Este estudo analisa a implementação desta estratégia de ensino que agrega os conhecimentos da Matemática à Língua Portuguesa, no sentido da promoção de uma educação para a numeracia e para a literacia no 1.º Ciclo do Ensino Básico. São discutidos estudos realizados no âmbito da promoção e da avaliação de competências a nível internacional e nacional e apresentadas definições fulcrais para a compreensão deste método de ensino, nomeadamente ao nível da resolução e formulação de problemas e da construção de histórias, bem como de outros conceitos relativos à integração. Os dados, recolhidos numa observação longitudinal, foram analisados de acordo com um conjunto de questões a que pretendíamos dar resposta. As observações realizaram-se em contexto extra-letivo e a implementação do método contou com a participação de dois grupos de alunos do 1.º Ciclo do Ensino Básico. O estudo dividiu-

se em duas intervenções que ocorreram durante dois anos letivos consecutivos. No primeiro ano letivo, participou um grupo de cinco alunos em que a média das suas idades era de sete anos, frequentando o 2.º ano de escolaridade. No segundo ano letivo, participaram quatro elementos do grupo que havia participado no primeiro ano do estudo e um novo grupo constituído também por quatro alunos da mesma escola, mas de outra turma, e que nunca tinham contactado com as histórias com problemas. Sendo a média de idades dos dois grupos, no segundo ano da intervenção, de oito anos de idade, encontrando-se todos a frequentar o 3.º ano de escolaridade. A partir da análise dos resultados obtidos, foi possível estabelecer comparações entre o desempenho dos dois grupos e identificar diferenças em função do contacto que estabeleceram com as histórias com problemas. São apresentadas as conclusões e reflexões sobre a eficácia deste método de ensino no desenvolvimento de competências de numeracia e literacia. São também apresentadas recomendações para futuras investigações. Este estudo permite avançar que os alunos do 2.º ano e do 3.º ano, do 1.º Ciclo do Ensino Básico, são capazes de construir histórias com problemas e que o nível do seu desempenho corresponde de forma congruente ao contacto e à sua exposição a esta metodologia. A implementação deste método de ensino interdisciplinar e integrador, na sala de aula, proporciona o desenvolvimento de competências de numeracia e de literacia, nomeadamente o desenvolvimento do raciocínio matemático e de estratégias de construção de histórias e a utilização de estratégias de resolução e formulação de problemas.

Anúncios